Maria Jose Villafanha
Postado por:

30/07/2015

Se você pudesse voltar no tempo, alteraria fatos do passado?

O principal paradoxo do retorno ao passado surge a partir de um conflito aparentemente lógico de sua existência em que você alteraria os acontecimentos do passado, seja lá o que for.
Mas, o mínimo que você altere nesse passado, poderia gerar consequências inimagináveis.
Qualquer ação poderia mudar o curso da sua história – você poderia não existir, por exemplo – impedir que outras vidas fossem geradas – fatos que fossem mudados poderiam alterar a história de outras pessoas. Erros cometidos não serviriam para acertos, tão pouco.
Que loucura tudo isso. Mas, acredite a física já estudou essa possibilidade, o que chamou de Paradoxo do Avô.
Os sentimentos de mudar o passado são recorrentes em nossas vidas. Pensamos: como teria sido se…
Não teria sido. Foi o que aconteceu, queira você ou não.
E a partir do que aconteceu como podemos transformar o futuro?
Recentemente, durante minha intervenção de processo de coaching de equipe de alta performance, a equipe relembrava fatos que aconteceram na empresa e que não poderiam ter acontecido por que causaram transtornos importantes. As analises sobre ações futuras ficaram, momentaneamente, deixadas de lado por que a equipe não chegava a nenhuma conclusão por que aquilo aconteceu e machucou relacionamentos. Deixei o debate rolar.
Ótimo! Cheguei onde queria!
E aí equipe? O que faremos para impedir problemas futuros?
Senti que a equipe estava focada nas possíveis soluções e não no problema em si, o grande causador do desconforto. A visão do cenário exposto era equivocada. A questão era como vamos eliminar as causas danosas? Estamos dispostos e determinados?
Sentiram que estavam avaliando o passado e querendo justificá-lo sobre óticas diferentes sem foco nas causas, pessoais e profissionais. No momento em que a equipe identificou a essência do problema, os semblantes se modificaram! Identificaram e entenderam onde tudo começou e como foram danosas as consequências causadas.
Parecia uma libertação do passado. Erramos! Isso é fato. Os relacionamentos foram machucados, como curá-los? E agora, quais novos caminhos, assertivos serão criados? Quais nossas responsabilidades no processo?
Ao quebrarmos as resistências pessoais e as crenças limitantes que foram geradas, as ideias surgiram com criatividade, energia e vontade de refazer de outra forma a partir das experiências vividas.
Decididamente, o passado não pode ser apagado e sim aproveitado a partir de uma nova visão, o aprendizado que gera oportunidade para crescer. Sem paradoxos, com foco e muita determinação.
Muitas vezes olhar para o negativo é importante para refazermos de forma positiva. É real, não ilusório.




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *